domingo, 24 de janeiro de 2010

O dia em que aprendi andar de moto

Como dizia no post anterior, eu tinha feito um texto onde me esforcei bastante... Mas o PC travou e aqui estou eu novamente tentar ser fiel ao que sumiu como fumaça dentro desse PC de merda.

 

           A incrível façanha de acordar 12:30 só eu consigo...RS Não me perguntem o que eu fiz da noite, mas hoje acordei feliz, tirando a parte de que quando eu durmo demais minha cabeça dói bastante e é com esse incrível bom humor que venho diretamente ao meu blog falar mais algumas asneiras.
          Estava me lembrando do dia em que aprendi andar de moto, na verdade eu nem aprendi direito. Na minha cidade sem lei, quem tem carteira de motorista ta legal e quem não tem tanto faz. Às vezes eu fico revoltado, parece que eu nunca vou aprender a andar de carro ou de moto e quanto mais o tempo passa, mais pessoas aprendem, guris, passeiam por aqui na maior sem medo de nada.
          Pra começar essa historia eu tenho que falar de quando eu fazia cursinho em Petrolina, lá as cadeiras eram muito juntinhas e eu gostava de sentar perto da parede, então, tinha que atravessar até o outro lado, eu tentava mesmo não encostar em nenhuma e nem fazer barulho, mas era inevitável, eu pensava comigo: - Não vou bater, não vou fazer barulho! Só que batia, fazia barulho e chamava atenção das pessoas... Eu tinha que começar por isso, pra mostrar o quanto eu sou compenetrado, pra não dizer desastrado. Na verdade eu não me acho desastrado, as pessoas que acham isso e como eu não ligo pra o que os outros pensam eu não to nem ai...

       Nesse dia acordei disposto e bem humorado e tinha decidido aprender a andar de moto, diferente de hoje, pois só o fato do meu texto ter sumido que nem fumaça já me deixou muito chateado... Então chamei meu primo pra me ensinar as “manhas" e eu aprendi tudo direitinho, mas esqueci de tanto tentar ligar a moto, quando enfim consegui ligar eu não lembra mais de nada, nem de mudar de marcha, nem de frear, mas por sorte a moto desligou só. Recomecei, aprendi tudo de novo e consegui ligar a moto depois de mil tentativas mal sucedidas, eu estava com o ego inflado, me sentindo o maior motorista de corrida , mas sabia que se a moto desligasse eu ficaria mais uma hora tentando liga-la no meio da rua... E foi isso que aconteceu, moto desligou e pra minha sorte um amigo chamado Evandro me salvou e ensinou de vez como eu fazia pra ligar direito, a partir de então, eu terminei de me sentir como diz uma pessoa próxima:- " A ultima carta do baralho", capaz de tudo, de subir montanhas, correr sem rumo e até voar... Voei mesmo, voei contra a parede de uma casa, quando acelerei ao invés de frear numa curva fechada, a moto bateu na calçada e eu me esborrachei todo... Depois desse dia, traumatizei...
        Mas não foi nada demais, eu só tinha arrancado uns pedacinhos de pele do joelho, cotovelo e mão... a moto também não teve nada demais, apenas se arrastou em cima da calçada de cimento, mas é melhor de cimento que no asfalto ou no calcamento não é?
       Então, como herança dessa trágica queda, ficou um braço enfaixado e pra terminar a historia, a ferida secou junto com a faixa e eu sozinho num ato de coragem arranquei jurando que nunca mais me exibiria por ai...


PS. A culpa não é dos guris que andam sem carteira e sim das autoridades que não fazem nada pra que os impeça....


ESSE TEXTO NÃO ESTÁ NEM UM POUCO PARECIDO COM O OUTRO, APESAR DE SE TRATAR DA MESMA COISA... : (
Enviar para o Twitter

0 comentários:

Você é o visitante n°

Copia e cola no teu site ou blog...

Parceiros?